_Que fofinho, que lindo! Quem é?

_É o neném da Natasha, Cacá.

_Que gracinha. Quero pegar. Dá o neném.

_Não pode pegar no colo, não.

_Mas você está com ele no colo!

_Eu já tenho mais de sete anos – disse minha tia, se esquivando.

_Ah! Mas eu sou forte. Ontem fiquei com o neném da Alexandra no colo um tempão e não deixei cair nem uma vezinha!

_Natasha, o neném está com fome!

_Como você sabe?

_Ele não para de olhar para o meu prato. Posso dar uma garfada para ele?

_Não, Cacá, ele só come leite.

_Coitadinho. Leite nem é de comer, nem mata a fome.

_Cruzes!!!! Que horror!

_O que?

_ Seu peito, que horror. Está enorme e inchado e caído. Credo! Nem o peito da minha mãe –que é adulta –é tão feio assim.

_Mas é que ela está dando mamá, Cacá, depois volta ao normal.

_Aposto que não volta. Vai é ficar caído assim mesmo.Sem ofensa, Natasha, mas tá muito horrível!

O neném dorme. Ela tenta colocar um travesseiro em baixo da cabeça dele.

_Não, Cacá. Neném não dorme de travessiro.

_Não?! Por quê?

_Porque não pode. Nem travesseiro nem coberta.

_Por quê?

_Porque ele pode colocar a coberta no rosto, na frente do narizinho, e sem querer tampar a respiração.

_Por que você tem tanto pensamento negativo?