Poetas, uni-vos,
disseram.
Que sozinho
não sois nada.

Desconfiei dos
poetas autoproclamados,
Poetas
De praças, de ruas
De televisão

Poeta, sê sozinho
que sua força é seu
medo
seu cadinho de tristeza
sua vergonha.

Poeta,
de pseudônimo
de editor
de um palpite
que é tão obra
que não pode se gritar
sob pena de ser ofendido

Poeta do fracasso
do íntimo
do solitário
Sozinho, poeta, não sois mesmo nada
Só poeta não és nada
artista não sois.

Autoproclamados artistas
de associações,
de academias, de uniões.

Ao artista que sabe que é
fala a duvida, falta a insegurança
falta a solidão
falta-me coragem?