Sou vegetariana, exceto porque como carne. No mais, acho muito desagradável esse costume de encarar a morte na hora do almoço.

Hoje Rafael chegou cedo com dois peixes “quase vivos”, recém tirados d’água e eu não gostei de ouvir que Miguel, achando muito curioso, colocou a mão nos cadáveres.

Na casa da mamãe, quando Nalvinha serve à mesa um frango inteiro, pergunto se devo chamar o padre para encomendar o corpo. Aí ela ri um riso solto como o dela, como se eu brincasse.