Tag Archives: pai

Quando cheguei aqui foi logo depois da guerra. Ninguém tinha esse costume não, de fazer expedição. O Brasil acho que era uns cinqüenta anos atrasado em relação a Europa. Ninguém não subia morro assim de graça e me perguntavam para quê chegar lá em cima para depois descer. Lá na época o morro da Urca eu vinha sozinho, hoje dá fila de gente. E nas outras reservas era só eu mesmo e os guardas me conheciam. Você ainda não está na idade, minha filha, que é nova, mas vai chegar os trinta anos e é bom fazer exercício todo dia que assim acostuma. Você diz hoje que eu tenho oitenta? Mas isso faço desde novo quando cheguei depois da guerra. E o Brasil era atrasado mesmo. Aqui lente de contato não tinha, por isso fazia fila lá na ótica. Hoje é que essas descartáveis fica mais fácil de usar, né? Aí a ótica já não dá esse lucro.Só que isso chegou foi quando os filhos já todos criados. Você vê: hoje já nem vou lá que não tenho paciência, mas a Joanna tomou conta. Ela que é toda instável que vive mudando de ideia, pois ela mesmo é que toma conta. O Francisco quando começou a estudar eu achei que fosse ficar na ótica. Aí fez mestrado, doutorado. Achou que ser ótico ia ser muito degradante para ele…


Miguel saiu ao pai. Tem sobretudo os olhos e o jeito manso de Rafael. As mães do parquinho, sempre previsíveis, dizem que trabalhei de bandida.

_Que injustiça, não é? A gente que carrega…

Se é injustiça é das boas, das melhores, que orgulho de mãe é ter filho com os olhos do pai.

_Mas tem meu nariz, eu digo.

E é verdade.


Há uma cena em minha cabeça, essa que eu vi hoje. Mas não pretendo contá-la, apenas descrevê-la, que sua beleza é tão explícita! Primeiro, confesso que não sou dessas que preferem ler um livro em sua língua original. Não, eu assumo humildemente que leio as traduções e que minha preferência por literatura brasileira é antes a preferência da língua: gosto do português, como de nenhuma outra.

Mas digo isso por que há um trecho em inglês na cena que vou contar e que não posso mudar –nem quero –sequer traduzi-lo.

Passei pelo escritório, meu marido tocava violão para meu filho. Não é que tocasse violão com meu filho por ali, tocava para ele e com amor nos olhos.

It´s not time to make a change
Just relax and take it easy
You´re still young That´s your fault
There´s so much you have to know
Find a girl, settle down
If you want you can marry
Look at me
I am old but I´m happy